A Malha Fina Cartonera ganha novos autores: Hildon Vital de Melo e Mayra Guanaes

por: Samanta Esteves

No dia 18 de maio, sexta-feira, recebi Hildon Vital de Melo e Mayra Guanaes – autores de Anotações para o livro do ventre e Afetos e ficções, respectivamente – para entrevista realizada na sala da Malha Fina Cartonera, no prédio de Letras.

Estreantes, os escritores foram selecionados pelo Comitê composto por Bruno Zeni, Paloma Vidal, Diana Klinger e Idalia Morejón Arnaiz, na Segunda Convocatória de Narrativa e Poesia do Selo Editorial Malha Fina Cartonera, realizada em parceria com a Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (EFLCH) da Unifesp e a Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP.

Hildon Vital de Melo e Mayra Guanaes

Hildon Vital de Melo, Samanta Esteves e Mayra Guanaes. Foto: Leonardo Chagas.

Os títulos ressoam a temática da vivência universitária através da hibridez dos gêneros, revelando as linhas de força da literatura contemporânea em narrativas que conseguem ser – cada qual a sua maneira – leves e imensamente sensíveis, tocando nos dilemas existenciais que perpassam a juventude e as contradições inerentes à prática da escrita.

Durante a conversa, tive a oportunidade de conhecer um pouco mais sobre cada um dos autores, suas perspectivas e concepções acerca de suas obras – com lançamento previsto para setembro de 2018 – e da literatura enquanto projeto de vida. O bate-papo nos levou para diversos caminhos, passando pela relação entre literatura e universidade, produção literária e a América Latina e os diversos percalços vivenciados pelos autores iniciantes que se atrevem a se lançar no mercado literário no mundo contemporâneo.

Expansivo e carismático, Hildon se formou em Filosofia e cursa doutorado em História Social na USP. Dá aulas de filosofia em uma instituição particular e se divide entre o amor e a desilusão pela profissão de professor. Em relação a Anotações para o livro do ventre, Hildon diz que a intenção era fazer um texto híbrido, compondo a obra a partir da junção de outros fragmentos narrativos. Nesse processo, a composição do livro se deu como espécie de embrião de onde, segundo Hildon, outros projetos podem nascer.

Anotações para o livro do ventre conta o surgimento do escritor gestado no ventre das experiências de vida que o levam ao encontro do ato de escrita. O narrador, autodenominado “camaleão albino”, revela o processo no qual foi gestado, descobrindo-se escritor através do texto enquanto ventre fértil. “Eu queria nascer, estou grávido há muito tempo e, para mim, o texto é uma forma de gravidez. Vejo a produção literária como uma espécie de útero”, explica ele.

Conta também que a primeira vez que sentiu a prática literária enquanto imperativo estava em um evento no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) em que o escritor João Paulo Cuenca falava sobre a problemática da morte do autor que ressoa no livro Descobri que estava morto. “Foi bem ali que descobri que estava vivo para a literatura contemporânea”, acrescenta Hildon, com entusiasmo.

Descontraída e dona de uma distração singular, Mayra se formou recentemente em Letras na Unifesp, entrando para o mestrado em Teoria Literária da mesma instituição. Afetos e ficções refaz trechos da existência de M., que narra momentos de sua vida como quem encontra na escrita uma possibilidade de reinventar os dias. Através do exercício autoficcional, a voz narrativa de M. habita lugares, abandona e revisita outros tantos.

Sobre Afetos e ficções, Mayra diz que os textos – que têm a ver com o tema da universidade – foram divididos em 4 partes temáticas que seguem uma sequência mais ou menos cronológica, mas são interdependentes. Sobre seu processo de criação, conta que a obra é composta por textos híbridos, mesclados entre diário e crônica, que escreveu de 2010 a 2017, o tempo que ficou na graduação.

Em relação a determinados aspectos, é possível dizer que ambos os livros convergem. No que diz respeito à construção formal, a hibridez de gêneros está presente de maneira particular em cada uma das obras, mesclando diferentes modos textuais no exercício da escrita de si.

No que se refere ao aspecto temático, a América Latina ressoa, em Anotações para o livro do ventre, como lembrança; em Afetos e ficções, como episódio vivido pela narradora. Fica claro o entendimento por parte dos autores que suas obras integram a produção latino-americana e seu contexto histórico-social. “Eu me considero uma escritora brasileira e latino-americana, primeiro porque reconheço que o Brasil está dentro da América Latina e nossa produção não está isolada. A gente está inserido num contexto de país emergente, permeado pela imigração e pela escravidão”.

Ao final, falamos um pouco sobre como os autores enxergam o panorama cultural e o contexto de manifestações artísticas no Brasil. Sobre o cenário contemporâneo, concordam que – apesar das dificuldades inerentes ao mercado editorial – as iniciativas das editoras e dos coletivos independentes têm grande contribuição para o fomento cultural, destacando a relevância dos novos autores se lerem entre si.

Esperamos que a conversa com os autores desperte uma expectativa positiva em torno dos livros de Hildon de Melo e Mayra Guanaes e reiteramos o convite para o lançamento de Anotações para o livro do ventre e Afetos e ficções, que têm previsão de acontecer no mês de setembro.

Anúncios

Poesía, arte, academia y cartón en una exposición

por: Idalia Morejón Arnaiz

El pasado 16 de mayo, en el Instituto Cervantes de São Paulo, nuestro sello editorial realizó el lanzamiento de un nuevo título: Caribe Oriental. Antologia de poesia cubana orientalista, en el marco de la exposición de tapas cartoneras “Caribe Oriental: errancias de la imagen poética entre el Caribe y Sudamérica”, de los artistas argentinos Darío Ares y Marga Steinwasser ―autores, además, del proyecto artístico de las cien portadas que integran esta edición de la antología.

Organizada por Idalia Morejón y Pacelli Dias, Caribe Oriental “es también un recorrido por la poesía cubana”, como afirmó en la presentación Guillermo Loyola, nuestro colaborador y revisor de las traducciones. Además de constituir una puerta de entrada a la poesía cubana, tanto por la selección como por la organización de los poemas, ella sugiere una tradición para el orientalismo en tierras caribeñas; un orientalismo que se manifiesta en varios de los poemas considerados emblemáticos de la poética de sus autores, como el soneto de Julián del Casal a Salomé, o el canto de Virgilio Piñera a Fuminaro Konoye.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

En tanto objeto, Caribe Oriental es el resultado de la colaboración entre los artistas argentinos y nuestro equipo de trabajo: cincuenta tapas forradas con seda, y bordadas cada una con una imagen diferente; cincuenta tapas realizadas con las técnicas del collage y la serigrafía en papel de seda, con una paleta de colores donde predominan el rojo, el negro y el dorado. El diseño editorial a cargo de Iara Pierro de Camargo ―quien además nos enseñó a encuadernar los libros a la francesa― dialoga con el proyecto artístico “orientalista”, al ilustrar con imágenes de los bordados, cada uno de los poemas de la antología.

Otras cien tapas producidas en la Argentina por Ares & Steinwasser viajaron para la muestra, que permanecerá abierta hasta el 16 de junio en el Instituto Cervantes de São Paulo. Aunque esta es la primera vez que Ares desde Rosario y Steinwasser de Buenos Aires acometen un trabajo en conjunto, en sus respectivos proyectos artísticos abundan las acciones colectivas. El trabajo de Marga, arraigado en las potencialidades del textil, se materializa con la contribución de la colectividad; la ropa donada por las personas es cosida a otras prendas de vestir procedentes de otros individuos; a través del trabajo con la ropa, la artista ha creado un dispositivo de memoria en el cual “cose” temas políticos, historias de vida; un largo trapo, ya de 200 metros, que descose por partes cuando necesita viajar para presentarlo. Darío Ares, a su vez, se encuentra vinculado a varios proyectos comunitarios en la ciudad de Rosario, de los cuales ya hemos dejado constancia en nuestro blog; gracias a su solidaridad y diálogo permanente, muy pronto nuestro equipo de trabajo pudo encarar la producción de tapas forradas y bordadas.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

La muestra también exhibe dibujos, documentos, objetos menudos de la vida privada, ahora resignificados en una suerte de patrimonio inmaterial cosmopolita, como se lee en el texto que Marga y Darío escribieron ―otro registro sensible del modo como ambos se involucraron con la propuesta cartonera:

“En estas paredes alojamos un trabajo nómade y sensible realizado entre los años 2017 y 2018. Entre Rosario y Buenos Aires, San Paulo y La Habana, entre Brasil y Argentina, fuimos construyendo un camino de trabajo colaborativo del que participaron poetas, traductores y artistas visuales”.

“Retazos de sedas, hilos, papeles, tintas, cartón son algunos de los materiales que lentamente permitieron alojar el poderoso imaginario del Oriente en el Caribe, en un viaje muy similar al que hace siglos emprendieron los mercaderes europeos que trazaron la ruta de la seda. Estas tapas para la colección de Malha Fina Cartonera y el variado repertorio de imágenes y objetos que las acompañan son el testimonio de la intensidad de ese tránsito artístico.”

Reiteramos nuestra invitación al público de São Paulo para que visite la exposición y verifique todo lo que el cartón nos entrega, puesto que tiene su propio lenguaje.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

O tumulto das palavras: a poesia e sua função social em “Drástico”, de Reuben da Rocha

por: Aryanna Oliveira

A poesia performática vem ganhando cada vez mais espaço em centros culturais e nas noites das grandes cidades. Naquilo que Ricardo Aleixo – um dos grandes nomes do movimento performático – chamou de “poesia expandida” tem-se levantado o debate sobre a circulação da palavra a partir da verbalização da poesia, outrora vista apenas como uma composição em versos, normalmente rimados e dispostos em folha de papel. Como um grande desafio, os artistas da performance buscam decifrar o significado da obra de arte para além do que superficialmente está contido nela, fazendo emergir de um contexto mais intrínseco um complexo de possibilidades para a palavra.

Assim os slams, competições de poesia performática, tem sido espaços de grande difusão do movimento performático, no jogo das palavras orais, que em jogo, ganham contornos sociais, em uma função quase política nas rodas culturais das grandes e pequenas cidades. Surgidos nos anos 1980, nos guetos dos Estados Unidos, ganhou hoje espaço nos guetos de muitos países, extrapolando o papel poético de acordo com o contexto.

Entretanto, para além das competições – e considerando que nem todo poeta performático é um competidor em slams – a poesia performática incorporou novos elementos transformando-se numa arte híbrida, hoje chamada intermídia, em que além da palavra, da voz e do corpo, novos meios – como luzes, sons eletrônicos, cores – reforçam outros sistemas semióticos, atualizando os procedimentos tradicionais. Nessa poesia intermídia são entrecruzados signos de diferentes códigos, ganhando novos contornos e ampliando as possibilidades de expressão.

Um dos grandes destaques desse novo cenário é Reuben da Rocha, ou CavaloDADA – codinome que para ele já representa um aspecto de sua poética, o fazer poético a partir de uma degradação linguística –, que recentemente publicou seu Drástico pelo selo da Malha Fina Cartonera. O poeta já publicou diversos livros em que a palavra se mostra para além do impresso, como se saltasse aos olhos, num tumulto vertiginoso de intenções. Segundo ele, que se define como um “artista experimental do terceiro mundo, um nordestino, brasileiro, latino-americano, maranhense que se situa no campo do experimental”, para entender a poesia performática é necessário compreender a palavra poética para além do convencional, retificando uma ideia ultrapassada que as manifestações poéticas atuais se mostram em detrimento às formas clássicas impressas. Sobre isso falou-nos, “a poesia não tem uma linguagem preferencial, não tem uma mídia preferencial, ela se manifesta em qualquer meio. Os meios são relativos A palavra, o veículo primordial da poesia é um meio semiótico por natureza. A palavra é imagem, som e ideia, e se manifesta em todos os meios. A palavra tem essa fugacidade. É uma ilusão pensar uma coisa em detrimento à outra. São meios autônomos que acontecem ao mesmo tempo. Não existe um contexto privilegiado”.

Leitor de Dostoiévski em tempos de escola, viu a performance invadir sua vida em sua experiência universitária na Universidade Federal do Maranhão (UFMA), nas enriquecedoras trocas que se estabeleciam com colegas e professores. “A velocidade da informação criativa era assombrosa, todo mundo tinha tempo disponível”, explica. Foi nesse momento que percebeu a necessidade exceder os limites da poesia, de percebê-la percorrer o corpo, como que ganhando forma física. “Preciso repetir mil vezes a palavra nos lábios, de ter um jeito de pronunciar as coisas. Isso sempre teve de uma maneira acentuada na minha vida. Então as duas coisas, poesia e performance, estavam intimamente ligadas para mim”, completa.

Em 2012, viveu uma grande experiência no World Event Young Artists, festival realizado em Nottingham, interior da Inglaterra. Lá, apresentou “CAIXAPREGO” na Backlit Gallery, vendo ali, que sua língua, por ele chamada de “pretoguês”, precisava ser traduzida através da forma, da performance, percebeu a necessidade de estudar o seu fazer poético. “Eu estava num país de língua inglesa, como um poeta brasileiro que fala um certo tipo de português, o “pretoguês”, com uma acentuação africana muito forte, que é a língua que eu falo, uma invenção que passa pelo sotaque, pelos ritmos específicos de muitos Brasis. E era isso que eu gostaria de levar para lá. Não queria traduzir meus poemas para o inglês. Então precisei encontrar um modo de traduzir pelo timbre, pela melodia, pela pronúncia aquilo que eu queria dizer. A partir dali eu comecei uma pesquisa, que é a base do que eu faço em performance”.

Apresentação de “CAIXAPREGO/NAILBOX” (Backlit Galery, WEYA, 2012)

Reuben, como CavaloDADA, no Macrofonia. (Casa da Luz, São Paulo, 2017)

Para além do performer talentoso, ganhamos um estudioso do movimento performático que atua no campo de experimental, trabalhando com e interpretando códigos. “Sou um pesquisador da linguagem. Meu campo está em constante movimento. Dialogo com outros campos que respeito e me interesso, mas eu acho que o que eu faço se situa no campo do experimental. E o experimental brasileiro tem uma relação muito forte com a poesia, que para mim tem uma relação muito forte com figuras como Hélio Oiticica, com José Agrippino de Paula, Rogério Sganzerla, que é um cineasta, mas faz um cinema de poesia, como o Julio Bressane”, explica. Nesse estudo, percebe a poesia como um estado de linguagem, “de experimentação, de uma invenção que não se limita a uma única expressão, como a arte de fazer versos. Percebo a poesia como uma abordagem que você pode levar a qualquer linguagem. Godard, Tarkovski, cineastas de poesia. Tudo me interessa, essa malha de criação”, conclui.

Isso se evidencia nas páginas de Drástico, o único de seus livros em que não trabalha a linguagem visual. Segundo ele, sempre procurou elaborar um trabalho visual que lhe permitisse a passagem de um código para o outro, como evidenciando, por exemplo, a arte sonora, que não é somente poesia sonora. Porém, em sua publicação mais recente, os códigos se condensam nas palavras tumultuadas e urgentes, marcadas pela oralidade. Nele, as moças magrelas, os operadores de telemarketing, a noite, os animais e os corpos mortos, ganham vida em uma ressonância subversiva e latente. Em seu “Melô do Telemrkt”, a precisa ligação “das 5 todo dia”, é pano de fundo para reflexão, que culmina, como em outros poemas, em uma agonia persistente, que ouve o que range dentro da gente.

Capa de Drástico, publicado pela Malha Fina Cartonera. Foto: Aryanna Oliveira.

A menina magrela e o telemarketing retratados em Drástico. Foto: Aryanna Oliveira.

Em “Nem sempre lembro de aparar as unhas”, o ato rotineiro é acompanhado do cheiro da cerveja nas ruas pela manhã, como lembrando a vida em contínuo movimento, marcada pelo ritmo da morte, “o ritmo q a morte rompe”. O tempo que passa, aliás, é constantemente relembrado, mas sem cobrança, apenas como um aviso das palpitações da vida e morte a cada segundo, do corpo humano que se danifica e tantas vezes se aproxima em sentido, dos animais e dos restos e entulhos.

“Nem sempre lembro de apanhar as unhas”, em Drástico. Foto: Aryanna Oliveira.

A raiva, talvez uma já curtida raiva dos tempos de escola que o incitava a isso, é relembrada em “As mais pedidas”, nas palavras ruidosas e diretas de Reuben, “mas meu calor me leva aa alegria hábil em rir na raiva e na angústia”.

Palavras que gritam, em “As mais pedidas”. Foto: Aryanna Oliveira.

Nas marcas da oralidade, no exercício de trazer para o papel o cotidiano, a vida mais ordinária e marginal, a poesia se extrapola e se multiplica em funções. A palavra em Reuben é imagem, é som, é pensamento, tudo condensado nas palavras impressas que tanto querem dizer. A palavra poética, e em constante performance, do poeta maranhense que tão bem traduz as ruas e os dias de tantos Brasis, nos reconecta com as forças mais intrínsecas dos anseios do ser humano, o que justifica sua missão social enquanto artista da palavra. Em suas tão fortes e aqui harmonizadas palavras, sua função se estabelece no fazer poético. “O papel do que eu faço é reenergizar o planeta. Tudo que eu faço em qualquer meio tem a intenção de dialogar com nossas forças primitivas, a força das águas, da terra, com o canto dos pássaros, com os insetos, mamíferos, peixes, com a brisa, com o movimento das nuvens no céu, a gradação da luz ao longo do dia. Tudo isso são forças de poesia que nos ensinam a viver, mas são ignoradas pela sociedade com a qual nos organizamos hoje. Essa sociedade que não deixa nenhum espaço para o sonho, para a contemplação, para atividades que desafiam o tempo linear da produtividade”, explica. E, por fim, completa, “a tarefa da poesia é nos reconectar com essas forças e reequilibrar o planeta, que hoje é doente. A arte é então uma força de saúde. E os artistas são trabalhadores da saúde do planeta, do inconsciente coletivo, da espécie humana, que não existe, porque o que existe é a vida, se expressando através de diversas formas, dentre elas essa forma mamífera humana, mas a poesia não é um privilégio dos humanos, ao meu ver é uma força da vida.”.

imageQuem é: Reuben da Cunha Rocha, ou CavaloDADA, é maranhense do dia 28 de junho de 1984. Artista intermídia, tradutor, colaborador nas mais diversas frentes culturais e crítico de artes. Entre suas publicações, sempre em selos independentes, estão a série Siga os sinais na brasa longa do haxixe (Pitomba Livros e Discos, 2016) e Drástico,  publicado este ano pela Malha Fina Cartonera.

(Imagem: Arquivo pessoal de Reuben Rocha)