Grupo Diáspora(s): uma poética de ruptura

por: Aryanna Oliveira

Na última quinta-feira, 24, em oficina realizada pela Malha Fina Cartonera, durante a VI Jornada do Programa de Pós-graduação em Língua e Literaturas Espanhola e Hispano-americana (DLM/FFLCH/USP), ocorreu o pré-lançamento da antologia poética do grupo Diáspora(s), com título homônimo, em edição bilíngue. Na atividade oferecida pela Malha Fina, os participantes puderam, além de conhecer o ofício e a trajetória da cartonera, confeccionar as primeiras capas da publicação que apresenta o grupo poético-literário cubano.

Fundado em 1993, o movimento que se manteve ativo até o ano de 2002, previa um projeto de escrituras alternativas, para além de um caráter de busca de unidade nacional, como consolidação do cânone, por exemplo. Do grupo fizeram parte Rolando Sánchez Mejías, Carlos A. Aguilera, Rogelio Saunders, Pedro Marqués de Armas, Ismael González Castañer, Ricardo Alberto Pérez, José Manuel Prieto e Radamés Molina.

Em posfácio à edição, a Profª Drª Idalia Morejón Arnaiz, diretora editorial da Malha Fina e organizadora da coletânea, explica o título do grupo, como um elemento relevante de seu viés político e vanguardista. “O termo diáspora (em grego antigo, διασπορά – dispersão) define o deslocamento forçado ou incentivado de grandes massas populacionais originárias de uma zona determinada para diversas áreas de acolhimento. Que tal termo apareça como nome de um grupo literário e, posteriormente, como título de sua revista, com uma letra “s” ao final entre parêntesis, denota, em primeiro lugar, que as zonas de acolhimento a que se submete a literatura são múltiplas e, em segundo lugar, que em tais traços se hospeda uma marca plural, de dissensão escritural, heterogênea”. Ou seja, tendo na poesia uma arma de combate contra o totalitarismo, o grupo buscava não só dar continuidade aos aspectos essenciais da vanguarda cubana, como também reivindicar a projeção política contra o nacionalismo de Estado, por meio da atribuição de valor em zonas periféricas, abandonadas pela pelo fazer literário, em Cuba.

As primeiras capas de Diápora(s), produzidas na oficina cartonera da Malha Fina

As primeiras capas de Diáspora(s), produzidas na oficina cartonera da Malha Fina . Foto: Cristiane Gomes.

Diáspora(s) consolidou-se, desse modo, como um grupo de ruptura, rompendo principalmente com os modos unilaterais do fazer literário, apoiando-se em um enfrentamento à política cultural da ilha, delineado pelo estado castrista, a partir de 1959. “Assim, a ruptura com o modo predominante de praticar a literatura torna a ser outro dos gestos que Diáspora(s) passa a praticar, e sobre o qual deixou textos poéticos, ficcionais e ensaísticos que constituem valiosas contribuições à releitura e reescritura da tradição. Diáspora(s) buscou na diferença seus próprios precursores, e seu trabalho modificou tanto nossa concepção do passado quanto às possibilidades futuras de escrever”, explica Idalia Morejón no mesmo prefácio, em tradução de Ramiro Caggiano Blanco e Yeda Blanco.

A coletânea, publicada pela Malha Fina, traz poemas de cada um dos membros fundadores do grupo, em versão original e em português, como forma de apresentar ao público brasileiro um momento tão importante da literatura cubana de vanguarda, de um dos mais importantes movimentos literários de Cuba, pós-Orígenes.

Entre os escritores do grupo, a coletânea apresenta um pouco da produção de Rolando Sánchez Mejías, Rogelio Saunders, Ricardo Alberto Pérez, Pedro Marqués de Armas, Ismael González Castañer e Carlos A. Aguilera. E dos três primeiros apresentamos hoje alguns excertos do que o leitor irá encontrar em Diáspora(s).

Em “Jardín Zen de Kyoto”, é possível conhecer a escrita de Rolando Sánchez Mejías, que hoje reside em Barcelona e é autor de narrativas e antologias poéticas.  Seu trabalho já foi publicado em países como Espanha, Cuba, Alemanha, Estados Unidos, Suíça e República Checa. Em 1993 e 1994 ganhou o Premio Nacional de la Crítica .

Alrededor del jardín

Trecho de “Jardín Zen de Kyoto”, traduzido para o português como “Jardim Zen de Kyoto” por Ellen Maria Vasconcellos,

Já em “Vater Pound”, conhecemos a atmosfera literária de Rogelio Saunders, poeta, narrador e ensaísta, que também reside em Barcelona e ganhou o prêmio de Poesia Luis Rogelio Noguera com a plaquette “Observaciones”.

Vater Pound

Trecho de “Vater Pound”, traduzido por Clarisse Lyra.

E, em “Los Tuberculosos”, é possível perceber as marcas de vanguarda em Ricardo Alberto Pérez, poeta e ensaísta, que nasceu e reside em Havana. Autor de muitas publicações, o escritor foi bolsista do Parlamento Internacional de Escritores e, ganhador do Premio Nacional de Poesía Nicolás Guillén, em 2007.

Los Tuberculosos

Trecho de “Los Tuberculosos”, traduzido como “Os Tuberculosos” por Caroline Costa Pereira e Liliana Marlés.

 

Os escritores Rolando Sánchez Mejías, Rogelio Saunders e Ricardo Alberto Pérez, membros do grupo Diápora(s).

Os escritores Rolando Sánchez Mejías, Rogelio Saunders e Ricardo Alberto Pérez, membros do grupo Diápora(s). Fonte: Divulgação online.

 

Na próxima semana apresentaremos os outros três poetas que compõem a antologia Diáspora(s).

Anúncios

5 comentários

  1. Pingback: Grupo Diáspora(s): uma poética de ruptura (parte II) | Malha Fina Cartonera
  2. Pingback: Aryanna Oliveira: ·Diáspora(s): uma poética de ruptura· | inCUBAdora
  3. J. Prats Sariol · setembro 17, 2017

    Excelente divulgación de un grupo imprescindible en las letras cubanas contemporáneas. Muy bien por Idalia y los traductores y divulgadores. Saludos desde Aventura.

    Curtido por 1 pessoa

  4. Pingback: “Diáspora(s)”: Entrevista com Carlos A. Aguilera | Malha Fina Cartonera
  5. Pingback: Retrospectiva – 2º Semestre de 2017 | Malha Fina Cartonera

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s