Desvairada & Independente

por: Chayenne Orru Mubarack e Pacelli Dias Alves de Sousa

Nos dias 24 e 25 de março, a Malha Fina teve o prazer de ser uma das editoras participantes da Desvairada – Feira de Livros de Poesia de São Paulo. A feira teve como objetivo agrupar editoras do cenário independente, reunindo-as no espaço Aldeia 445, em Pinheiros.

desvairada

Imagem de divulgação da Desvairada. Fonte: Desvairada.

Mais do que um espaço para a venda das publicações, por si só importante devido à marginalização deste nicho no mercado, a feira, organizada por Marília Garcia, Leonardo Gandolf, Fabiano Calixto e Tiago Marchesano, buscou abrir caminhos para os diálogos entre as editoras e o público. Realizaram-se leituras de poemas das obras de poetas convidados e de poetas diversos, como Walt Whitman e Stela do Patrocínio e oficinas abertas ao público. A programação incluiu ainda mesas de debate que versavam sobre o cenário editorial independente e a publicação de poesia. O público também presenciou exposições performáticas de especialistas, como as leituras realizadas por Maurício Salles Vasconcelos e também realizou-se um concurso de vídeo-poesia. Tratou-se de um espaço privilegiado para o encontro e a discussão de poesia, de caminhos alternativos para publicações e, ao cabo, de fermento do meio cultural.

Na tarde do dia 25, a Malha Fina ofereceu uma oficina intitulada A edição de livros artesanais e a construção de um catálogo editorial, na qual Tatiana Lima Faria e Larissa Pavoni Rodrigues trataram não somente da história do selo, mas também de temas importantes para o campo, como a materialidade dos livros, especialmente o caso cartonero, e a formação de um catálogo.

tatiana

Oficina “A edição de livros artesanais e a construção de um catálogo editorial”, oferecida pela Malha Fina no segundo dia do evento. Foto: Julia Izumino.

Os monitores e colaboradores Caroline Costa Pereira, Chayenne Orru Mubarack, Larissa Pavoni Rodrigues, Mariana Costa Mendes e Pacelli Dias Alves de Sousa aproveitaram a oportunidade para conversar com as editoras presentes sobre os projetos que embasam suas publicações e, em alguns casos, também a materialidade dos livros. As entrevistas estão disponíveis em nosso canal do Youtube, a filmagem/fotografia foi feita pela Caroline e a edição dos vídeos foi feita pela Mariana. O conjunto servirá como um pequeno painel do atual cenário editorial independente. A partir deste conjunto, ainda que represente somente o fragmento de um agitado e rico movimento resistente, o leitor poderá conferir a variedade e originalidade oferecidas por esse caminho editorial. Entre as editoras entrevistadas estão Córrego, Jabuticaba, treme~terra, Chão da feira, Lote 42, Alpharrabio, Circuito, Cozinha Experimental, Pitomba, Urutau, Grumo, Dobradura, Quelônio e Garupa.

Os cruzamentos e laços que as conectam vão além da condição independente: muitas compartilham uma história fundadora, começando como revistas antes de se consolidarem enquanto editoras, é o caso de Córrego, Grumo e Garupa. Em relação à formação de catálogo, Córrego, Chão da Feira, Pitomba, Alpharabio Urutau comentaram de distintas maneiras sobre algo bem sintetizado por Tiago Fabris (Urutau) como “mercado de relações mais humanas” para se referir a um projeto mais afetivo de seleção, em que começaram (e permanecem) publicando amigos, a si mesmos (no caso dos editores) ou projetos de gosto próprio. Embora se tratasse de um feira com foco na poesia, o catálogo das editoras presentes não se resumiu à literatura. A filosofia, a arte contemporânea e a teoria literária são temas de títulos de Chão da feira, Circuito, Córrego Cozinha Experimental.

Caminhando pelo evento, percebeu-se um cuidado generalizado pelas edições, característico deste tipo de editora. Entretanto, em suas entrevistas, treme~terra, Garupa e Quelônio mencionaram a importância da concepção de “livro-objeto” em seus projetos. De fato, essas editoras apresentaram projetos mais radicais: a Garupa, por exemplo, trouxe uma edição digital intermidiática em pen-drive contido dentro de uma singela garrafa de vidro. Bruno Zeni, da editora Quelônio, enfatizou a recuperação de técnicas tradicionais de impressão na confecção de seus livros, além do uso de fotografias.

poema

O livro Caderno de Segunda Mãe, de Guilherme Conde, editado pelo Coletivo Editorial Garupa.

Espaços de venda e discussão, como a Desvairada, são muito relevantes para a vitalidade do meio cultural e, especialmente, literário, no qual nosso selo se insere. Em tempos de recrudescimento das políticas culturais, gostaríamos de terminar este editorial lembrando as palavras de Dalila Veras da editora Alpharrabio: “fazer uma feira dessas é um ato político”, de fato.

Playlist Desvairada Independente:

Editora Fada Inflada

Editora Córrego

Editora Cozinha Experimental

Editora Alpharrabio

Edições Jabuticaba

Editora treme~terra

Editora Chão da Feira

Editora Lote 42

Editora Circuito

Editora Urutau

Projeto Grumo

Pitomba Livros e Discos

Dobradura Editorial

Editora Quelônio

Coletivo Editorial Garupa

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s