A Resistência das Cartoneras

Não é de hoje que as editoras cartoneras surpreendem o mundo. Elas reivindicam uma nova relação entre o autor, o livro e o leitor, e uma nova visão sobre a produção e distribuição dos livros.

Por: Ellen Maria Vasconcellos

O movimento editorial cartonero não para de crescer e se multiplicar: já atingiu ao menos vinte e um países, e, só na América Latina, há mais de trezentas cartoneras contabilizadas. Elas recebem esse nome por utilizar o papelão (cartón, em espanhol) para a produção das capas dos livros. É um coletivo de pessoas que se reúne para fazer livros artesanais e de baixo custo, com o objetivo de driblar o sistema mercadológico editorial, que encarece o valor do livro e dificulta as relações entre o autor, o livro e o leitor. Com o valor gasto reduzido na produção, a democratização do texto se torna regra número um: autores menos conhecidos têm seus textos em circulação, leitores anônimos conseguem adquiri-lo. A primeira das editoras cartoneras surgiu em 2003, a Eloísa Cartonera, fundada em Buenos Aires, por Washington Cucurto, Javier Barilaro e Fernanda Laguna, e com mais de 250 livros publicados; e hoje elas são tantas que se tornaram até objeto de estudo nas universidades, com teses e livros que investigam como foi que este fenômeno surgiu e por que razão não tem nenhuma pretensão de acabar.

foto armando carmino 2011

Fonte: Armando Carmino, 2008.

Aqui no Brasil, o nascimento da Dulcinéia Catadora, o primeiro coletivo cartonero do país, surgiu em 2007 com uma parceria com a própria Eloísa Cartonera na 27ª Bienal de São Paulo. Em uma entrevista à Malha Fina Cartonera, Lucia Rosa, fundadora da Dulcinéia Catadora junto com Peterson Emboava, ela nos conta que: “Nos primeiros anos, a Dulcinéia funcionou numa sala cedida, em Pinheiros e reuniu jovens, alguns deles filhos de catadores, de famílias de baixa renda; alguns em situação de vulnerabilidade.” Hoje, este trabalho em cooperação com o Movimento Nacional dos Catadores de Reciclagem funciona em outro espaço, no centro de São Paulo, ao mesmo tempo em que o coletivo desenvolve uma proposta de itinerância.

Com o objetivo de fazer uma linha editorial artesanal sem nenhuma hierarquia, trabalhando todos juntos sempre em posição de igualdade, a Dulcinéia Catadora, além de participar de feiras e projetos com comunidades carentes, promove oficinas de confecção no Brasil e no mundo, tanto para a formação de novos núcleos cartoneros, quanto para os que já existem e estão em busca de mais pessoal capacitado para este trabalho. O coletivo ganhou uma visibilidade tamanha que só a Biblioteca do Congresso em Washington, nos Estados Unidos, conta com um acervo de mais de cem livros da Dulcinéia Catadora. Também nos Estados Unidos, a Biblioteca de Wiscosin conserva uma coleção de mais de mil livros cartoneros, de centenas de coletivos de todo o mundo. Aqui no Brasil, a Biblioteca do Memorial da América Latina, em São Paulo, mantém um espaço reservado para os livros cartoneros, não só nacionais, mas de dezenas de produções literárias de nossos hermanos. Lucia Rosa confirma o que vamos aprendendo: “O importante é o acesso aos livros. Conquistar novos espaços”.

Quanto ao nome das cartoneras, é bastante curioso que a maioria delas receba um nome feminino: Eloísa Cartonera, Dulcinéia Catadora, Olga Cartonera, La Sofía Cartonera, Katarina Cartonera, Severina Catadora, Juanita Cartonera; ou que ao menos o substantivo seja feminino: La Joyita cartonera, Sereia cantadora, La Vieja Sapa, a recém criada Malha Fina Cartonera, etc… É uma mudança no sistema tradicional que vigora também no mercado de produção e distribuição dos livros. Sobre o batizado da Dulcinéia Catadora, Lucia Rosa diz: “No nosso caso, Javier, que fazia parte do Eloísa, sugeriu que escolhêssemos um nome feminino. Dulcinéia é o nome de uma catadora que trabalha na Coopamare, uma mulher que admiro. Como também nos faz lembrar de Dulcinéia, de Miguel de Cervantes, a decisão foi unânime.”

No Nordeste do Brasil, vemos este fenômeno ganhar ainda mais força pela falta de editoras na região e, principalmente, pela falta de oportunidade que os artistas locais têm de serem publicados. Como vimos, o ativismo social faz parte da essência das cartoneras. Uma das primeiras cartoneras que surgiram por lá, e que hoje tem bastante relevância, é a Mariposa Cartonera, que em 2013 no Recife, foi fundada por Wellington de Melo. Hoje já são tantas (Severina Catadora, Cartonera del Mar, Vento Norte Cartonero, Comissão Cartonera, Carolina Cartonera, etc) que foi criada, inclusive, a Liga Cartonera, um coletivo das editoras cartoneras, com o fim de se auto-ajudarem e se auto-promoverem na distribuição de seus trabalhos, além do contato com as cooperativas de reciclagem e de costura. O trabalho é sempre colaborativo, e é preciso que todos os envolvidos compreendam e participem dessa lógica, não só do processo de produção, mas em todo o ciclo da economia solidária e sustentável, na formação de novos leitores, na divulgação e circulação dos livros e da proposta.

foto fabiana turci 2008

Foto: Fabiana Turci, 2008

Passados mais de dez anos desde o surgimento da primeira cartonera, o que nos chama muito a atenção deste projeto é, justamente, a co-edição, na qual duas ou mais editoras cartoneras fazem uma parceria e publicam o mesmo livro. Assim, as editoras se fortalecem e se apoiam na divulgação de um determinado texto e autor em regiões diferentes, ou até mesmo, em línguas diferentes. São alternativas que mantém vivos não só o próprio objeto livro, mas também a ideia do trabalho coletivo. A Malha Fina Cartonera, por exemplo, começou justamente com um projeto de co-edição com a Mariposa Cartonera e a Yiyi Jambo.

Uma cartonera que se destaca também neste sentido é a Yiyi Jambo, fundada por Douglas Diegues, já bastante conhecido pelo seu trabalho literário em portunhol selvagem, uma língua de fronteira. Em entrevista à Malha Fina Cartonera, Douglas nos conta, em seu portunhol selvagem, que dois de seus livros saíram nesse processo de co-edição: “O livro Triple frontera dreams saiu em versión pocket por Yiyi Jambo, Katarina Kartonera y Eloisa Cartonera. Depois foi lançado o Tudo lo que você non sabe es mucho más que todo lo que você sabe por seis cartoneras de seis países diferentes: México, Chile, Peru, Argentina, Espanha e Brasil”.

A Yiyi Jambo possui sede própria em Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul, e disponibiliza para quem quiser chegar um belíssimo acervo cartonero. “É uma delícia fazer um livro de poesia cartonero com las propias manos. Las capas nunca se repetem. Y los livros não tem preço: podem custar entre 10 reais y 5 mil reais. Você põe o preço. Quem quiser pagar, que lo pague. És uma arte muito livre.” – comemora Douglas Diegues.

É bastante comum que os livros tenham preços flexíveis quando falamos de cartoneras. A Dulcinéia Catadora, por exemplo, pede somente sete reais por livro. Não é nada comparado ao preço de um exemplar nas grandes lojas e livrarias do país. Hoje, há editoras cartoneras com inúmeras propostas: de ampliar o discurso ideológico em relação a questões de gênero, ou de classe, por exemplos; de fortalecer a educação de literatura e artes nas escolas, com uma proposta educativa integrada à comunidade; e de trabalhar com indígenas ou algum setor específico da população, para que, dessa forma, o livro não só dê voz às pessoas que antes não eram ouvidas, mas para que a leitura alcance um público que também não tinha acesso ao material. Se cada livro é único, cada leitura também é.

O controle do número de editoras cartoneras na América Latina praticamente se perdeu: O movimento coletivo ganhou muita força e não há um só país da América sem ao menos uma cartonera fazendo a diferença. Na Espanha (e não só por lá), existe inclusive um movimento de montar essas cartoneras dentro do sistema carcerário. A penitenciária de Zaragoza é uma delas. Ali, além do livro montado pelos internos, o texto também é deles: uma série de antologias de poemas, contos e crônicas já foram produzidas e distribuídas em todo o país. A França é um dos países da Europa que mais abraçou a ideia: há coletivos cartoneros nos país inteiro, sendo as mais conhecidas Cephisa Cartonera, La guêpe e a Babel Cartonnière. Em Moçambique, temos a Kutsemba Cartão, e até na China o movimento já se estabeleceu: a Mil Hojas cartonera. Sobre a proporção que as editoras cartoneras estão tomando no mundo, Douglas Diegues diz: “La editoras cartoneras podem contribuir muito ainda com la desmistificación de la literatura, de la lectura y del livro. Podem salvar la vida de muitas pessoas também. Podem trazer mais liberdade para el arte de publicar livros. La coisa está apenas começando y después del libro cartonero, los livros nunca mais serão los mesmos”.

Já não há mesmo dúvidas de que os livros nunca mais serão os mesmos. As cartoneras chegaram para ficar, para fincar e resistir.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s